Senado proíbe a cobrança por marcação de assento nos voos

O Senado aprovou ontem, em votação simbólica, projeto de lei que proíbe a cobrança por marcação antecipada de assento em voos comerciais, uma prática recentemente adotada pelas companhias aéreas brasileiras. 

         A matéria vai agora à Câmara dos Deputados, onde já tramita decreto legislativo aprovado no Senado em 2016, que proíbe a cobrança por bagagem despachada. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi criticado por senadores por, nas palavras de Fátima Bezerra (PT-RN),  “sentar em cima do projeto até hoje”.

         De autoria do senador José Reguffe (sem partido-DF), o texto aprovado garante ao consumidor “o direito à marcação antecipada e gratuita de assento em voo operado em território brasileiro”. E considera “prática abusiva ao direito do consumidor” esse tipo de cobrança, sujeitando à pena de multa as empresas que nela incorrerem.

         A medida tramitava em caráter terminativo desde abril na Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor (CTFC) do Senado. Mas, depois de uma intervenção da senadora Simone Tebet (MDB-MS), diversos senadores pediram que ela fosse levada diretamente a plenário.

         Falaram a favor da votação os senadores Ana Amélia (PP-RS), Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Jorge Viana (PT-AC), o próprio Reguffe, Paulo Paim (PT-RS), entre outros. 

          “É inaceitável esse tipo de situação, e a Anac não faz nada”, disse Jorge Viana (PT-AC). “Parece que a Agência Nacional da Aviação Civil virou a agência nacional das companhias aéreas.”

         Já o senador Flexa Ribeiro lembrou o histórico recente de novas cobranças feitas pelas empresas.“Começou com o assento conforto, não fizemos nada; cobrança de bagagem, não fizemos nada; agora para marcar lugar. Daqui a pouco, as companhias aéreas vão querer cobrar para usar o toalete, só falta isso”, disse.

         Presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), então, consultou os líderes partidários sobre retirar o projeto da comissão e levá-lo a plenário. Diante das manifestações positivas e unânimes, a votação ocorreu rapidamente. O texto foi aprovado sem controvérsias.

         “Quando um consumidor compra uma passagem, ele tem que ter o direito a essa marcação de assento”, disse Reguffe. “A empresa não pode querer cobrar pela marcação de assento já que o consumidor, na medida em que compra a passagem, tem que viajar em algum lugar. Então, isso é uma forma indireta de a empresa querer aumentar ainda mais os custos para o consumidor.” 

         Autor do Projeto de Decreto Legislativo (PDL) que susta a resolução da Anac  sobre cobrança por bagagens, aprovado no Senado em 2016, Humberto Costa (PT-PE) alfinetou Rodrigo Maia. Segundo Costa, a aprovação do texto “não é garantia de nada”.

         “Nós aprovamos aqui aquele projeto de resolução que impedia a cobrança de bagagens, e o presidente da Câmara até hoje — ele parece ser preposto de empresa aérea — não o colocou para votar”, afirmou. “Então, ou o Senado se manifesta contra aquele preposto de empresa aérea, para que ele coloque em votação esse projeto, ou então isso vai permanecer como está. Ok?” (do Valor Econômico)

Comentários
Sem comentários ainda. Seja o primeiro.