Juros do consignado baixam e acirram disputa pelos bancos

Uma disputa pelo domínio do mercado de crédito consignado vem sendo travada pelos dois líderes desse mercado no setor privado. Uma semana após o Itaú passar a cobrar juros menores de aposentados e pensionistas do INSS, o Bradesco reagiu e anunciou também uma redução nas taxas para a mesma modalidade.

+ Crédito com garantia vira novo ringue de grandes bancos

Com 14,3% de mercado, o Bradesco levou sua média de juros anuais cobrada para servidores públicos, em geral a mais baixa entre os consignados, para 22% em 2 de maio deste ano, segundo dados do Banco Central (BC). Um ano antes, era de 25,4%. No Itaú, que tem 14,1% do setor, essa média foi de 36,6%para 32,2%, considerando o mesmo período.

O objetivo dessa disputa é dominar um mercado cobiçado e em pleno aquecimento. Esse tipo de empréstimo é considerado de mais qualidade pelas institições financeiras, pois dá mais segurança ao credor, já que a amortização é realizada diretamente na folha de pagamento. Quem pega emprestado, por outro lado, tem acesso a taxas menores em relação a outras operações de crédito pessoal, como o cheque especial.

Com a queda da taxa básica de juros e a recuperação gradual da demanda por crédito, o volume desse mercado vem aumentando constantemente. Segundo as estatísticas mais recentes do BC, divulgadas preliminarmente, em doze meses, a taxa média anual do crédito consignado caiu 3,2 pontos porcentuais, para 26,1%, em março deste ano, quando o saldo total somou R$ 317,2 bilhões, maior valor da série histórica, iniciada em dezembro de 2016. Nesse período, a Selic, taxa básica de juros da economia, caiu 5,75 pontos.

+ Santander lucra R$ 2,86 bi no 1º trimestre, com alta de 25,4%

Neste primeiro trimestre, o Bradesco levou a melhor na disputa com o concorrente. De acordo com os balanços do período, o banco passou a liderar o mercado pela primeira vez desde 2012, quando o Itaú comprou a carteira do BMG. O Bradesco totalizou R$ 45,3 bilhões em crédito consignado ao fim de março, enquanto o Itaú fechou com R$ 44,7 bilhões.

Para o secretário de Planejamento e Assuntos Econômicos (Seplan) do Ministério do Planejamento, Júlio Alexandre, as recentes reduções das taxas cobradas pelos bancos indicam um “movimento saudável de concorrência por um crédito de boa qualidade, que tem uma garantia forte”.

Na avaliação do secretário, a imposição de um teto menor nos juros dessa operação contribuiu para o aumento do consignado. Em março e setembro de 2017, a pasta determinou essa redução. Na última alteração, a taxa cobrada dos servidores foi de 29,8% ao ano para 27,6%. Para aposentados e pensionistas, o teto caiu de 28,9%, para 28%. Essas duas modalidades respondem atualmente por 94% do volume total do crédito consignado. Para o setor privado, não há um limite máximo determinado pelo órgão.

“Antes, o volume do crédito consignado estava crescendo na ordem de 0,2% ao mês. Depois da medida, houve uma aceleração para taxas mais próximas de 0,65%”, afirma o secretário, ressaltando que esse tipo de crédito é importante para que as famílias troquem dívidas mais caras por outras mais em conta. Júlio Alexandre prevê novos movimentos de redução dos juros nas instituições privadas, de modo que ainda não está no radar outra diminuição do limite máximo.

Ele conta que a prioridade da pasta em relação a esse tema é o uso do FGTS para impulsionar o consignado no setor privado. Como o trabalhador deste setor tem menos estabilidade no emprego, parte da aplicação no fundo seria usada como garantia para os empréstimos. O secretário afirma que os aspectos jurídicos já estão estabelecidos, faltando apenas definir as questões operacionais. “Estamos discutindo com a Caixa, que é o operador do FGTS, e com representantes do setor bancário, e esperamos encaminhar uma decisão ainda neste ano”.

Taxas. O Itaú havia anunciado no dia 7 de maio a redução para 26,7% ao ano da taxa máxima do crédito consignado para aposentados e pensionistas do INSS. “A decisão resulta de um cenário econômico mais favorável”, afirma por meio de nota o diretor do banco Ricardo Botelho. “Esse movimento foi possível em razão da queda da Selic, da melhora da confiança do consumidor, do aumento da demanda pelo produto e da baixa do custo do crédito” explica.

+ Queda de juro favorece portabilidade dos financiamentos imobiliários

Pouco depois, o Bradesco anunciou que a taxa mínima desse segmento iria para 23,9% ao ano para operações novas com prazos a partir de 49 meses. Na Caixa Econômica Federal, o aposentado e pensionista INSS que é cliente e recebe o benefício pelo banco pode contratar o consignado pela internet ou em qualquer terminal de autoatendimento. Nesses casos, as taxas partem de 24,6% ao ano, a depender do prazo da operação e do relacionamento do cliente com a CAIXA.

No Banco do Brasil, a taxa mínima atual é de 20,3% ao ano. Os consignados INSS no Santander ficaram com taxas entre 25,3% a 28% ao ano, após a última redução, em outubro do ano passado. (de O Estado de S. Paulo)

Comentários
Sem comentários ainda. Seja o primeiro.