Os maiores bancos distribuem R$ 37 bilhões em dividendos

Os três maiores bancos privados do país distribuíram R$ 36,8 bilhões aos acionistas relativos ao ano passado nas formas de dividendos, juros sobre o capital próprio (JCP) e recompra de ações.

O número equivale a 61,7% do lucro líquido ajustado que Itaú Unibanco, Bradesco e Santander alcançaram juntos em 2018, de R$ 59,695 bilhões.

O volume foi impulsionado por um novo recorde de remuneração do Itaú a seus acionistas, e vem num momento em que o governo discute a possibilidade de tributar dividendos em troca de um corte na alíquota de Imposto de Renda das empresas. Ainda não formatada, a medida vem sendo elogiada por executivos de bancos e analistas do setor.

Na noite de segunda-feira, o Itaú Unibanco anunciou o pagamento de uma parcela adicional de R$ 16,4 bilhões em dividendos e juros sobre o capital próprio (JCP) relativos a 2018 em relação aos R$ 6 bilhões previstos. Com isso, o volume distribuído aos acionistas alcançou R$ 22,9 bilhões, o equivalente a 89,2% do lucro líquido do ano passado. É um novo recorde para o próprio banco, que no ano anterior já havia devolvido aos investidores 83% de seu resultado -- melhor marca até então.

O volume pago pelo Itaú aos acionistas é composto por dois itens. A maior parcela, de R$ 22,4 bilhões, veio de dividendos e JCP, o que implica um payout de 87,2% (contra 70,6% no ano anterior). Outros R$ 510 milhões decorreram da recompra de ações, outra forma de remunerar os investidores.

O patamar ainda perde de longe para boa parte das elétricas e algumas concessionárias. Porém, as cifras confirmam o status do Itaú como o maior pagador de dividendos entre os grandes bancos no país.

O Bradesco distribuiu aos acionistas R$ 7,299 bilhões relativos aos números de 2018, o que equivale a um payout de 34,2%. O volume aumentou 1,32% em relação ao ano anterior, embora o lucro recorrente do banco tenha crescido 13,4%.

Já o Santander pagou R$ 6,6 bilhões em dividendos e juros sobre o capital próprio referentes ao ano passado, ou 53,2% do lucro recorrente.

Os súper dividendos do Itaú decorrem de uma política adotada pelo banco para lidar com um problema bom -- o excesso de capital. Para evitar uma "sobra" ainda maior, a instituição anunciou em setembro de 2017 a derrubada do teto que limitava os dividendos a 45% do lucro líquido.

Na época, o Itaú definiu que passaria a fazer, a cada ano, a distribuição necessária para manter 13,5% em capital de nível 1, patamar considerado ideal pelo banco. Com o crédito fraco nos últimos anos e limitado pelos reguladores para fazer aquisições, o Itaú optou por esse caminho.

Como chegou ao fim de 2018 com 15,9% em capital de nível 1, o Itaú voltou à carga e elevou ainda mais o patamar de dividendos pagos aos acionistas.

A política é diferente da praticada por seus maiores concorrentes. Na semana passada, o diretor de relações com o mercado do Bradesco, Carlos Firetti, afirmou que 13,5% em capital de nível 1 é o patamar ótimo, mas não necessariamente um teto. "A gente pode acumular mais" disse o executivo em teleconferência com analistas.

Analistas do BTG Pactual afirmaram, em relatório, que o resultado do banco no quarto trimestre desperta "sentimentos mistos". No entanto, destacaram que o patamar de dividendos "roubou a cena" da divulgação.

Há duas semanas, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo estuda a possibilidade de reduzir de 34% para algo em torno de 15% a alíquota de Imposto de Renda e contribuição social de empresas. Para compensar a perda de receitas, os dividendos e juros sobre capital próprio passariam a ser tributados.

O presidente do Santander, Sergio Rial, disse a jornalistas na semana passada que uma eventual tributação de dividendos, como acontece em outros países, é "mais saudável" que uma tributação estrutural elevada. No entanto, defendeu também uma revisão dos impostos indiretos que hoje recaem sobre as companhias para que haja uma melhora efetiva da competitividade.

Ontem, o presidente do Itaú, Candido Bracher, disse que uma eventual redução da carga tributária pode aumentar o interesse do banco em expandir seus negócios no exterior. Isso porque a instituição consolida seus resultados no Brasil, onde a carga tributária gira em torno de 40%, e não se beneficia das alíquotas menores cobradas em outros países.

Como exemplo, citou os negócios do Itaú no Chile, onde se paga 27,5% de imposto. Ao consolidar o balanço no Brasil, o lucro gerado fora, hoje, é penalizado.

Segundo Firetti, diretor de relações com o mercado do Bradesco, a expectativa do banco é que as mudanças discutidas pelo governo não impliquem aumento da carga tributária atual. (do Valor Econômico)

Comentários
Sem comentários ainda. Seja o primeiro.